É preciso não apenas empregar mais mulheres, mas conhecê-las de fato e suas diferenças. A luta das mulheres por uma posição mais igualitária na sociedade ferve e, com esse movimento, conceitos como “sororidade” e “dororidade” vêm à tona. Mas você sabe o que é dororidade e o que sororidade quer dizer?

Sororidade é o nome dado ao pensamento de união entre as mulheres, sem julgamento prévio, baseado na empatia e companheirismo a fim de alcançar objetivos em comum. 

Dororidade, por sua vez, se baseia no mesmo objetivo, porém se direciona às mulheres negras e à luta particular que elas enfrentam. Nesse caso, a luta não se dá por somente ser mulher, mas por ser mulher negra, fato assustadoramente perigoso no Brasil, uma vez que o Mapa da Violência mostrou que, enquanto o homicídio de mulheres negras experimentou um crescimento de 54,2% num período de dez anos, o homicídio de mulheres brancas caiu 9,8% no mesmo período. 

O que pode ser feito para que se tenha um olhar mais sensível a mulher negra? Como enquadrar esse debate – não só de gênero, mas de cor; e não só de cor, mas de gênero – dentro das discussões feministas para abordar, entender e saber lidar com isso? A dororidade, conceito criado pela escritora Vilma Piedade, vem para dar voz e forma a essas questões.

A imagem é uma foto da escritora Vilma Piedade, sentada em uma mesa de autógrafos no lançamento do seu livro "Dororidade".

A militante feminista Vilma Piedade, autora do conceito Dororidade, que ela explica no livro Dororidade, publicado pela Nós Editora em 2017 | Créditos: Aline Macedo.

Porque precisamos falar sobre dororidade

É necessário, quando se fala de feminismo, levar em consideração o que se chama de interseccionalidade – o conhecimento das diferentes dimensões dentro do mesmo movimento; e no caso da dororidade, a dimensão racial. 

Em seu livro “Dororidade”, a criadora do termo, Vilma Piedade, pós-graduada em Ciência da Literatura pela UFRJ, integrante da organização feminista PartidA Rio e da Articulação de Mulheres Brasileiras (AMB) e como ela mesma resume “mulher preta, brasileira e feminista”, o conceito complementa o de “sororidade”, trazendo o recorte da mulher negra e sua importância para a discussão. 

“Acho importante que nós tenhamos um espaço para falar e que seja uma fala que agregue no coletivo. Eu só quero todos os tons de preto dentro do feminismo.”, diz Vilma Piedade.

A imagem é uma ilustração que mostram 3 desenhos de mulheres negras.

Essa visão sobre o feminismo negro é bastante relevante visto a posição que mulheres negras ocupam na sociedade. No Brasil, o racismo e a questão de gênero são os elementos que moldam a pirâmide social. Dados mostram como a mulher negra se encontra na base dessa pirâmide, abaixo tanto dos homens (sejam eles brancos ou negros) como das mulheres brancas.

Em comparação com uma mulher branca, a mulher negra tem três vezes mais chances de ser vítima do feminicídio, segundo dados do Fundo Elas; além de compôr cerca de 1,5 milhão das 2,4 milhões de mulheres que sofrem com a violência doméstica por ano no Brasil, ou seja, as mulheres negras são quase 63% dessas vítimas. 

Como mostra o PretaLab, de acordo com a pesquisa “Estatísticas de gênero”, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o percentual de mulheres brancas com ensino superior completo é 2,3 vezes maior do que o de mulheres negras. E apenas 10,4% das mulheres negras têm ensino superior completo.

 

Na saúde

Na saúde, de acordo com a Secretaria Especial de Promoção da Igualdade Racial, levando em conta os atendimentos do SUS, cerca de 41% das mulheres negras com mais de 40 anos nunca fizeram um exame de mamografia, junto com os mais de 18% das que nunca fizeram exame de colo de útero. Esses dados mostram o quão vulnerável está a mulher negra, se não for olhada com mais atenção, além de mostrar também a evidente importância de sua voz diante dos movimentos feministas.

“O feminismo negro não é um recorte, muito pelo contrário, a gente que pensa feminismo precisa pensar essencialmente por uma perspectiva de classe e de raça. O feminismo negro não exclui, amplia” – Djamila Ribeiro

 

No trabalho

A discrepância trabalhista também é visível nesse cenário, uma vez que a mulher negra – em comparação com a branca – é a que ocupa a maior parte dos trabalhos informais; além da diferença salarial entre brancos e negros que é gigantesca, com a parcela branca ganhando 72,5% a mais do que os negros, segundos dados do IBGE. Agora imagine essa discrepância salarial não só no âmbito racial, mas também quando se fala de questões de gênero: or mais que trabalhem mais do que os homens, as mulheres ainda ganham 25% a menos do que eles. 

Por questões como essas, a luta do feminismo negro – e a afirmação da dororidade – se mostram tão necessárias num embate contra duas forças hegemônicas: o racismo e machismo. O movimento não se constrói como segregação, mas sim pela pluralidade das lutas e demandas, levando em consideração as diferentes realidades de mulheres.

“Com a força e o poder das mulheres negras desta região, nós resistiremos” – Angela Davis

A imagem mostra um gráfico da "Hierarquia racial", comparando a realidade de mulheres negras e brancas: enquanto a taxa de desocupação de mulheres negras é 12,4%, a de mulheres brancas é de 6,7%; enquanto a renda média das mulheres negras é de R$544,40, a de mulheres brancas é de R$957; enquanto a taxa de participação de mulheres negras entre 25 e 29 anos no mercado de trabalho é de 70,8%, a de mulheres brancas é de 76,7%; no que diz respeito a escolaridade, apenas 10% das mulheres negras possuem ensino superior, enquanto o de mulheres brancas sobe para 24%.

O que as empresas podem fazer diante disso?

Destacamos algumas empresas que tem se posicionado mediante esse fato e quais tipos de ações são precisas para contribuir positivamente com esse quadro.

É preciso entender que pelo fato da maior parte das pessoas ricas do país serem homens brancos, são eles também os principais donos das empresas, e com esse comando, as empresas podem acabar perdendo um pouco do olhar sobre a diversidade. Por isso as ações e eventos para promover a ascensão da mulher negra ao mercado de trabalho são tão importantes. 

Uma pesquisa feita pela Working Mother Media e publicada pela Forbes mostrou companhias norte-americanas que mais contrataram mulheres negras, e em 2016 ofereceram cerca de 500 novos empregos, contribuindo para a relevância dessas mulheres no mercado de trabalho, uma vez que elas ocupam 17% dos 50 cargos que mais ganham nessas companhias.

De acordo com o estudo, 96% dessas empresas encarregaram uma pessoa ou até mesmo um time para promover a inclusão. Dentre elas, a IBM, P&G e Verizon são algumas das que se destacam pelos esforços em colocar mulheres negras em cargos bons; porém nem todos os resultados são positivos. A porcentagem dessas mulheres em cargos de liderança, por exemplo, ficou estagnado em 14% das gerências e 4% das diretorias.

 

Aqui no Brasil

O Brasil também vem galgando a pequenos passos nessa luta pela igualdade. Uma pesquisa feita pela Fundação de Economia e Estatística (FEE) mostrou que entre os anos de 2013 e 2014, a mulher negra tem se distanciado dos empregos que eram tidos como “para ela” e alcançado novos postos na organização social, como mostra o gráfico abaixo.

A imagem mostra um gráfico da "A mulher negra no mercado de trabalho" de 2013 a 2014. Disponível em: https://www.sul21.com.br/ultimas-noticias/economia/2015/11/renda-da-mulher-negra-sobe-para-562-da-renda-de-homem-nao-negro-aponta-estudo/

Imagem retirada do site: https://www.sul21.com.br/ultimas-noticias/economia/2015/11/renda-da-mulher-negra-sobe-para-562-da-renda-de-homem-nao-negro-aponta-estudo/

Empresas vêm investindo em processos seletivos intencionais, ou seja, direcionados para uma parcela específica da população, com naturezas intencionais, como aumentar a diversidade nos times. A Aerolito, empresa de futurismo, em junho de 2020 abriu um processo seletivo para a contratação exclusiva de mulheres negras.

Algumas iniciativas vêm trabalhando para que mulheres negras sejam inseridas no mercado de trabalho e contribuindo para a mudança, em conjunto, da realidade de gênero e racial no país. Algumas delas:

  • Indique uma preta: consultoria de conexões entre mulheres negras e o mercado de trabalho. 
  • PretaLab: iniciativa para inclusão de mulheres negras na área de tecnologia e inovação. 
  • Criola: organização da sociedade civil com mais de 25 anos de trajetória na defesa e promoção dos direitos das mulheres negras.
  • Minas Programam: iniciativa que promove oportunidades de aprendizado sobre programação para meninas e mulheres, priorizando negras ou indígenas.
  • Pretahub: hub de criatividade, inventividade e tendências pretas.
  • Ux Para Minas Pretas: iniciativa para introduzir as mulheres negras em UX Design, gerar mais acesso, estimular a empregabilidade e promover o compartilhamento de conhecimento e articulação em rede.

Neste outro texto no nosso blog, nós separamos alguns materiais, iniciativas e pessoas importantes que lutam para combater o racismo para você acompanhar: Olhe para dentro: como ser um aliado na luta antirracista.

Na prática, como aumentar a diversidade na sua empresa

A Blend Edu pode te ajudar! Promovemos diversidade nas empresas através de soluções completas inovadoras:

Experiências sensoriais

Acreditamos no potencial que as experiências têm para transformar pessoas e gerar engajamento. Desenvolvemos experiências sensoriais e imersivas, que tem como principal objetivo aprofundar a reflexão e fazer com que as pessoas se abram para um comportamento mais empático.

Treinamentos em diversidade

Queremos despertar as pessoas para liderar um movimento pela diversidade dentro das organizações. Desenvolvemos ações educacionais “fora da caixa”, com uma abordagem simples, lúdica e com os conteúdos mais atuais do mercado.

Consultoria em diversidade

A Blend Edu adapta o design do projeto acordo com a demanda de cada um de seus clientes como Reserva, Prudential, Globo, SESC, Estácio e Ipiranga. Isso é o que nos possibilita atender com agilidade empresas de diferentes perfis, indústrias, culturas e tamanhos.

Diversidade SA

Criamos a primeira comunidade virtual de aprendizagem do mercado com foco no desenvolvimento de uma liderança engajada nos desafios de diversidade, a Diversidade SA.

Com base no número de usuários e no perfil de empresa, você escolhe o plano mais alinhado às suas necessidades. Os usuários da empresa assinante, além de acesso aos melhores conteúdos de diversidade, poderão assistir às Master Classes ao vivo (streaming) e sob demanda, com os melhores especialistas do mercado, abordando conceitos, cases e melhores práticas em diversidade. Os usuários também podem compartilhar experiências e ampliar o network, interagindo com executivos das outras organizações.

Quer saber mais? Confira os planos e funcionalidades, solicite uma demo gratuitamente e conheça o Diversidade SA!