Esse artigo foi elaborado para destacar os principais pontos sobre o tema Diversidade e Inclusão apresentados durante o evento Kenoby Talks, o maior evento da área de Recrutamento e Seleção do Brasil. Abaixo, mostramos os highlights da palestra “Quantos anos você tem?”, com falas de Miusly Ferreira, Gerente de Desenvolvimento Humano Organizacional na Votorantim.


Imagem de capa da palestra de Miusly Ferreira no evento Kenoby Talks.

O MIME (Melhor Idade, Melhor Emprego)

O MIME (Melhor Idade, Melhor Emprego), foi criado em 2010 na Votorantim para fortalecer a diversidade dentro da empresa e oferecer para profissionais com mais de 45 oportunidades de trabalho, em um cenário onde a contratação de jovens ainda é muito priorizada. 

Hoje, o MIME é composto por 13 pessoas, com idades entre 45 e 65 anos. Alguns já estão aposentados e eles têm duas principais coisas em comum: renda complementar e busca por movimento, eles querem continuar ativos. O horário de trabalho é de 17:30 as 23:30 , para possibilitar que eles conciliam com outras atividades. Descobrimos que esse é o público que não busca mais um trabalho em período integral.

Nós olhamos para o mercado e vimos que tinha muita gente com esse perfil que queria trabalhar e que precisava de espaço. O programa de diversidade geracional impactou todas as áreas da organização e agora nós temos pessoas dessa idade em todas as áreas do Centro de Excelência da Votorantim, que é onde eu trabalho. 

É importante dizer que a nossa média de idade do Centro de Excelência era 25 anos, ou seja, muito jovem. Então, isso foi um desafio. Com o MIME, a gente conseguiu implementar esse mix de gerações. É claro que cada profissional vai demandar um processo de desenvolvimento diferente.  Esse é um grande desafio para a área de RH, que é muito focado nos jovens que chegam na organização.

A solução é simples: pergunte

Existe uma tendência de julgar as dificuldades que as pessoas têm por causa da idade. Mas nem sempre é assim e a solução é simples: pergunte. Dessa forma, é possível desenvolver habilidades individuais específicas e necessárias. 

Quando desenvolvemos um programa como o MIME, o foco está nos diferenciais que as pessoas podem trazer para as organizações. A grande qualidade do que essas pessoas trazem para gente é a pluralidade de experiências, além de um grau de comprometimento e responsabilidade maior. O importante é que o profissional tenha uma abertura ao diálogo para todas as gerações. Por isso, incentivamos que os colaboradores ampliassem as redes de contato para além da sua própria área. 

Desafios e o que temos pela frente

Enquanto nós não quebramos esse tabu de idade nas organizações, nós não vamos avançar como um todo na questão da diversidade. Os profissionais de RH precisam atuar de forma ativa e não esperar que isso aconteça naturalmente. O MIME nasceu no RH mas não termina no RH. Todo mundo dentro da empresa mas também a sociedade, ganha. 

Uma das poucas certezas que nós temos é que todos nós chegaremos em uma idade avançada, então para criar o MIME a gente precisou sensibilizar a liderança, fazendo os colaboradores se colocarem nesse lugar da pessoa com mais idade. Precisamos olhar para o diferencial positivo e não para as dificuldades que as pessoas mais velhas têm. Os líderes vêm percebendo as vantagens da contratação de diferentes gerações porque estamos percebendo que as pessoas mais velhas têm mais maturidade e mais calma.

Estamos com esse programa desde 2010 mas ainda não é uma coisa tão natural dentro da empresa. Daí a importância de trabalhar para que essas pessoas estejam nos lugares de tomada de decisão. Posso dizer que nós não temos mais preconceitos em relação a contratação desse público, mas ele ainda não populou a empresa, são só 10% da empresa, mesmo depois de 10 anos. Ainda temos muito pela frente.